Páginas

sexta-feira, 11 de junho de 2010

Pra decência não me ver



O dia amanheceu e eu aqui, sentada na minha cama, extática e nostálgica, no último trago do cigarro adormecido - funciona melhor que qualquer terapia!- Essa minha vontade súbita de escrever, nada mais é que um desejo agressivo e sentimental de despir minha alma desprevenida e receosa, cheia de sentimentos “Amélipoanos”, todos eles, e com uma pitada de descaramento.De egoísmo, desse meu jeito de Alice sonhadora.Surreal e masoquista de coração.A vontade, ou melhor, a necessidade de um arrepio na espinha,e ser tomada ate as pernas estarem trêmulas num delírio de prazer digno da literatura Barroca.Essa alma que sente demais,transbordante,viciada em sentir,com suas overdoses de amor tão particulares.Esse corpo pedindo sossego num prazer ardente.Agora, cá com esses meus sonhos despidos e sujos jogados em cima da minha cama,aguardando o momento mulher racional e decidida.Respiro todo o cinza ao meu redor,enquanto acendo outro cigarro,adequadamente pronta para a ocasião.Minha cara lavada,rabo-de-cavalo, a camisa tamanho único que ganhei da última campanha política da minha amiga DJ, e por fim ,minha melhor calcinha.Sento no chão e penso: “odeio ser tão gótica”.E de tragada em tragada, sem as certezas que me fazem falta, como o filho que ainda não tive,olho minuciosamente cada parte do que o intestino da minha alma sem sono vomitou sobre o meu cobertor lilás.Me pergunto se jogo tudo isso pra debaixo do meu tapete macio ao lado da cama,-Afinal é pra isso que eles servem,esconder o podre do meu estômago, o que é sujo e indecente-.E assim,troco os lençóis,deito e durmo? Ou procuro aquele whisky cansado e guardado e depois de suficientes goles me jogo por cima de toda essa bagunça e adormeço como uma menininha perdida?Limpo obcecadamente como um colecionador cuidadoso cada minúcia de sonho, projetos e sentimentos vomitados, com uma flanela 100% algodão.Me culpo por cada um deles,enquanto os reorganizo na prateleira do meu ser e os deixo livres para fazerem poeira, e de tempos em tempos atacar minha rinite depressiva? Eu peneiro tudo e como uma boa mestre cuca, faço uma receita magnífica com os melhores ingredientes, seguindo o meu coração?Esse mesmo que me permite errar e chorar, e correr esse risco. Ou eu simplesmente escuto uma segunda opinião?Bom!E assim sem resposta, eu chego na última tragada do último cigarro da minha caixinha metálica da Marlboro.Eu cá,os sonhos lá!

3 comentários:

Dan disse...

li a primeira linha e lembrei dele todo. kkkkk precisa add esse non. quando voltar, comento. e a PORTA agora abriu. kkkkkk mas, só entro se tiver brigadeiro. comofas ?! kkkkkk

brincando.

essa Porta ta mexendo nos meus neuros. Depois, volto nela. E passa la. atualizei. Tu vai gostar. Fala de um dos meus aprendizados, Tia. Falando nisso, estamos em sintonia. Tb mencionei o seu cigarro. kkkkkkkkkkkkkkk [rindo muito agora]

=P

Camyli Alessandra disse...

escrever é terapia!

Camyli Alessandra disse...

escrever é terapia!